Treinamento para cães medrosos – Chuvas, trovões e fogos de artifício (playlist Spotify)

Cães Educados Comportamento e Educação de Cães

Treinamento para cães medrosos – Chuvas, trovões e fogos de artifício (playlist Spotify)

Os cães detectam sons tão baixos quanto a faixa de freqüência de 16 a 20 Hz (em comparação a 20 a 70 Hz para humanos) e tão altos quanto 70.000 a 100.000 Hz (em comparação com 20.000 Hz para humanos) e, além disso, têm um grau de mobilidade auditiva que os auxilia a identificar rapidamente a localização exata de um som. Dezoito ou mais músculos podem inclinar, girar e levantar ou abaixar a orelha de um cachorro. Além disso, um cão pode identificar a localização de um som muito mais rápido do que um ser humano, bem como ouvir sons a quatro vezes a distância que os humanos são capazes.

Devido à sua sensibilidade, muitos cães adquirem comportamentos destrutivos quando são expostos à sons de chuva, trovões ou fogos de artifício. Entre os mais comuns estão: ansiedade, latidos, uivos, lambedura, taquicardia, respiração ofegante, pânico e automutilação.

Nesses momentos muitos tutores, sem saber, acabam fortalecendo o medo nos animais, pois devido à pena e desespero por ver seu filhinho de 4 patas sofrendo, transmitem essa energia ao cão, conversando com ele, trazendo ao colo, demonstrando preocupação e pânico por não saber como agir frente à essas tristes cenas…

Seguem algumas dicas e técnicas de adestramento que você pode utilizar para treinar e dessensibilizar seu cãozinho, e curar esse problema de uma vez por todas.

  • Consulte um profissional especialista em comportamento animal para lhe ajudar com o adestramento, caso tenha dificuldades;
  • Trate a causa do problema, que pode ter fundo emocional. Eu por exemplo, utilizo em meu trabalho diversas técnicas de medicinas integrativas da Naturopatia (área na qual estou me especializando), e elas possuem grande poder de restabelecer a autoconfiança e autoestima do cão;
  • Jamais dê atenção ao animal quando ele estiver neste estado de medo, não converse, não pegue no colo e não faça carinho. Os cães aprendem por associação. Se eles associarem que manter este comportamento chama a sua atenção, o reproduzirá sempre e cada vez com mais intensidade;
  • Mantenha a calma (por mais difícil que seja), respire profundamente e mostre ao seu cão que está tudo bem e que não há nada com o que se preocupar. Se distraia, tire o foco do animal, fique tranquilo. Demostre (através de sua postura e calma) a realidade à ele, que realmente nada de ruim acontecerá, que a tempestade vai passar, e que logo os fogos de artifício cessarão;
  • Em dias normais (sem os sons reais), coloque para tocar sons de chuva e trovões e fogos de artifício. Criei uma playlist no aplicativo Spotify (Sons de chuva e trovão para cães medrosos – https://open.spotify.com/playlist/1C3EWSqQEtqkBM4AZqesjQ). Acesse esse link, siga Flac e baixe a playlist, para conseguir tocar off line. Inicialmente você pode colocar os sons para tocar em volume baixo, durante o dia mesmo, enquanto o animal realiza as atividades normais. Quando ele se acostumar, pode aumentar o volume aos poucos, e introduzir momentos divertidos enquanto a playlist estiver tocando, como adestramento, brincadeiras, carinho ou durante a alimentação dele. Com o passar do tempo, se for bastante exposto aos sons, começará a se acostumar com eles, associando que nada de ruim acontece, pelo contrário, coisas boas ocorrem quando ele os escuta
  • Ofereça um osso, brinquedo recheável ou algo que o cão goste muito, para tirar o foco dos sons que o perturbam;
  • Retome sua “liderança” (o respeito e a admiração) do seu cão, através da terapia comportamental e adestramento. Cães que não enxergam seus tutores como fortes, tranquilos e equilibrados, são mais estressados, pois sentem a necessidade instintiva de promover a sobrevivência do grupo, quando não encontram esse porto seguro em outro indivíduo do bando;
  • Não deixe o animal do lado de fora da casa, exposto às situações que lhe causam o estresse. Providencie uma “toca”, um local onde ele possa se abrigar e se sentir protegido nos momentos de pânico;
  • Consulte um veterinário em casos mais extremos, pois na crise pode ser necessário dar remédios controlados para o cão, até que o treinamento e a terapia comportamental comecem a fazer efeito.

Qualquer dúvida, estou á disposição. Bom treinamento!

Bjs caninos’

Flávia Campos, Especialista em Comportamento Animal desde 2008, e pós graduanda em Naturopatia pela Universidade Paulista

Nenhum comentário

Adicione seu comentário